Mais lento que lesma, robô em Marte anda 30 km em 7 anos


Um ônibus espacial viaja a 28 mil km/h; um avião supersônico dá uma volta na Terra em 32 horas; uma Ferrari pode passar dos 300 km/h; e o Opportunity, robô que está explorando Marte, caminhou 32,5 km ao longo dos últimos sete anos. Em uma competição de velocidade, o pequeno robô "andarilho" da Nasa envergonharia até uma lesma (há registros de lesmas que se arrastam a 9 m/h). Feita a ressalva de que o Opportunity passa longos períodos estacionado, a velocidade média do robô tem sido de 0,4 m/h. Mas para sorte da agência espacial americana, a boa fama do robô depende mais de suas descobertas científicas no planeta vermelho do que de sua quilometragem.

O Opportunity foi levado a Marte em janeiro de 2004, três semanas depois de seu irmão gêmeo Spirit. Os dois robôs tinham missões de apenas 90 dias, com o objetivo de encontrar vestígios de água no planeta vizinho. Mas cumpridos o prazo e a missão - eles acharam prova de que já houve mares salgados no planeta em tempos passados - os pequenos robôs seguiram funcionando, e a Nasa passou a criar novas missões para seus "andarilhos". O Spirit foi declarado "morto" em maio deste ano, mas o Opportunity continua sua aventura até hoje.

Vida longa sem aposentadoria

É comum que os robôs enviados ao espaço trabalhem por mais tempo do que o inicialmente previsto. Como disse o gerente do projeto de "andarilhos" em Marte da Nasa, John Callas, a agência tem como regra tirar o máximo de cada robô e nunca deixar capacidades inutilizadas. O robô Phoenix - que ao contrário de seus sucessores "andarilhos" não era capaz de se movimentar - foi enviado a Marte em 2008 e também chegou ao planeta com uma missão de três meses, mas seguiu suas explorações por dois meses a mais.

O Viking 1, primeiro robô estacionário a aterrissar com sucesso no planeta vermelho, em 1976, igualmente chegou com expectativa de vida de 90 dias, e sobreviveu cerca de seis anos, bem como seu irmão Viking 2, enviado poucos dias depois. Apesar da decepção causada pelas descobertas do Viking que revelavam o ambiente inóspito de Marte, ele contribuiu com diversos experimentos geológicos graças a seu braço mecânico e sua câmera fotográfica.

Opportunity enfrenta problemas "de saúde"

A longa vida do Opportunity lhe permitirá explorar novos lugares em Marte, de acordo com Alfonso Herrera, um dos administradores da Nasa. Ele deverá seguir se movendo enquanto suas rodas permitirem. Segundo Bill Nelson, chefe da equipe de engenheiros das missões em Marte, o Opportunity tem "uma artrite no ombro do seu braço mecânico e está um pouco mal da roda dianteira direita, mas no geral está muito bem". Recentemente, o robô começou a andar de ré, com o objetivo de preservar as rodas da frente.

O Opportunity parece seguir os passos do Spirit, que após perder duas de suas seis rodas atolou em um banco de areia e teve que se transformar em uma estação imóvel. Mesmo assim, o Spirit seguiu trabalhando e acidentalmente encontrou sílica, um composto químico que poderia indicar a presença anterior de comunidades de bactérias. Mas em 2010, o robô deixou de enviar dados à Terra e parou de responder aos comandos da Nasa. Em 25 de maio de 2011, a agência fez a última tentativa de contato com o "andarilho", que havia percorrido um total de 7,7 km e enviado 124 mil fotografias, e provavelmente deixou de funcionar pelo extremo frio e pela falta de sol - fonte de energia do robô - do inverno marciano.

Guindaste voador levará novo robô a Marte

O próximo robô a ser enviado ao planeta vizinho é o Curiosity (curiosidade, em inglês) que será o maior "andarilho" a chegar ao planeta. Do tamanho de um carro e pesando cerca de 900 kg, o Curiosity será deixado na superfície de Marte por uma nave parecida a um guindaste, e o custo da missão já ultrapassa os US$ 2,5 bilhões. A previsão inicial do envio do Curiosity a Marte era 2009, mas atrasos na construção do robô passaram o prazo para novembro de 2011.

Movido com energia nuclear, o "andarilho" contará com um raio laser capaz de vaporizar rochas para analisar os gases liberados, um dos equipamentos mais avançados que a Nasa já produziu. Entre guindastes voadores e raios laser, a missão do Curiosity é tão cinematográfica que até James Cameron havia sido convidado a participar. O cineasta estava ajudando a Nasa a desenvolver uma câmera 3D de alta resolução que faria vídeos do planeta vermelho, mas o projeto foi abandonado por falta de tempo hábil para testes antes de novembro. Se os demais prazos forem cumpridos, o Curiosity estará perambulando por Marte a partir de agosto de 2012.

Fonte: http://noticias.terra.com.br
Share on Google Plus

About Henrique Halbercone

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.