Videos de transmissões secretas da Nasa

E se eu lhes dissesse que um Canadense, morador de uma pequena ilha próxima a Vancouver, que é gerente de uma TV comunitária, comprovou a existência de um dos maiores mistérios da humanidade moderna: existência de vida extraterrestre. Soou cômico para você? Então prepare-se para assistir a seqüência de vídeos que fazem parte de um documentário chamado “Secret NASA Transmissions - Smoking Gun“ que vem sendo divulgado desde 2001.

Martyn Stubbs em primeira vista, não passa de um nerd daqueles aficionados por “Jornada nas Estrelas”, que tem um PC de última geração e que ainda mora com a mãe. Se ele verdadeiramente é isso tudo eu não sei, mas ele é um cara curioso e muito inteligente para descobrir tudo o que ele descobriu. Acompanhem o raciocínio:


O cara estava meio sem ter o que fazer lá na TV onde ele era gerente, e resolveu usar os equipamentos da empresa para xeretar o espaço alheio. Assim como aquelas crianças hiperativas fazem com rádios amadores captando a freqüência policial, ele fez o mesmo, só que com nada mais, nada menos, que a toda poderosa (salve, salve) NASA. Não acreditando no senso comum de que as transmissões que a NASA faz entre suas estações espaciais e a Terra eram encriptadas, ele foi vasculhar o espaço e conseguiu captar essas transmissões. Não só captou, como passou cinco anos gravando os vídeos que as sondas, satélites, ônibus espaciais e companhia, enviavam para a central da NASA em solo terrestre. Como o próprio Martyn Stubbs revelou, “A Nasa não quer esconder nada de nós, ela quer que descubramos”, ao ser indagado a respeito da facilidade que ele conseguiu esses vídeos. Para os céticos de plantão, muita gente importante assistiu esses vídeos, e confirmaram que eram transmissões verídicas, nada tinha sido manipulado. Quando eu digo gente importante, me refiro desde a professores de física/astrofísica de universidades renomadas e ex-astronautas, até grandes nomes de dentro da própria NASA.

O que Stubbs descobriu pode mudar o conceito que temos dos extra-terrestres verdes e cabeçudos vendidos pela mídia moderna. Na verdade ele descobriu dois fenômenos importantes: o primeiro (UM) já vem sendo visto a olho nu por todos os astronautas e funcionários da NASA, mas nunca deram a merecida relevância (ou conhecem, e apenas ignoram) e o segundo fenômeno (DOIS) trata-se de algo novo que ninguém ainda teria percebido – inclusive a agência espacial americana. E muitos ficaram estarrecidos com a presença deste segundo fenômeno praticamente na ponta de nossos narizes, mas que nunca enxergamos. São eles:

- FENÔMENO ESPACIAL UM - São esferas brilhantes captadas pelas câmeras da NASA que apareciam com freqüências próximas a Estação Mirr (Russa), próximas ao Ônibus espacial e nas cercanias da atmosfera terrestre. Já vinham sendo vistas por astronautas há muito tempo, mas pelo jeito, subestimadas. Um determinado astronauta se impressionou tanto com elas, que começou a chamá-las de “vaga-lumes”. Os céticos (ou cínicos) afirmam que essas esferas brilhantes não passam de cristais de gelo. Mas é bom você assistir ao vídeo em questão, e analisar por si mesmo se o percurso que esses “vaga-lumes” fazem pelo espaço, ao menos PARECE ser de alguma matéria inanimada. Pelo contrário, ao meu ver, parece mais um enxame de abelhas ensandecidas em cima de objetos para elas não-identificados – os nossos satélites e ônibus espacial.

- FENÔMENOS ESPACIAL DOIS: Piscadas de Luz que somente após treinar o olho é possível captá-las. Quando 1 segundo do filme é decomposto em 30 quadros, percebe-se que a luz aparece num quadro e desaparece no outro, tamanha a rapidez com que se manifesta, ou seja, o Luz pisca numa velocidade de 1/30 de segundo e desaparece. Esse foi de fato a grande descoberta de Stubbs, já que antes dele, ninguém tinha percebido esse fenômeno antes. Até a NASA se surpreendeu com a descoberta, e se comunicou algumas vezes com ele. Esse fenômeno dois é tão rápido que poderia dançar sob os nossos narizes e desaparecer tão rápido que nem perceberíamos. Segundo Stubbs ou esse fenômeno dois é uma segundo ser, diferentemente dos seres do fenômeno um, ou até ambos são as mesmas coisas, só que em velocidades diferentes. Como se este ser, ou nave, quando quisesse desacelerar para olhar alguma coisa, se tornasse visível como uma esfera brilhante, e quando ele estivesse apenas se deslocando de um lugar para outro, ele atingiria essa velocidade absurda, que para nós se resume a um facho de luz.

Antes de começar o jogo dos “acredito” e “não acredito”, gostaria de inferir algumas suposições: e se realmente a NASA está a par do fenômeno número um, mas já que ele “não apresentou até agora uma ameaça”, eles apenas ignoram? E se agora que eles sabem que existe o fenômeno dois, e que este chega a interagir conosco sem nos apercebermos (vejam o vídeo, na parte que o fenômeno número dois possivelmente bloqueia uma porta do ônibus espacial) eles começarão a conjecturar a possibilidade de expor ao mundo o fato de existir vida além da Terra? Se é vida inteligente ou não, talvez seja muito cedo para determinar, mas ignorar essas imagens é algo difícil de se fazer para uma pessoa um mínimo inteligente.

Lista de Links para as nove partes da reportagem (vídeo):

PARTE 01; PARTE 02: PARTE 03; PARTE 04; PARTE 05; PARTE 06; PARTE 07; PARTE 08 e PARTE 09.


Fonte: http://oestranhocurioso.blogspot.com 
Share on Google Plus

About Henrique Halbercone

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.