Os mitos estão caindo...

Por Milton Dino Frank Junior







De repente uma lucidez toma conta de algumas pessoas e algumas novas revelações aparecem.

Só neste ano dois grandes casos ufológicos ocorridos no Brasil foram colocados na berlinda pela imprensa, e, diga-se de passagem, foram muito bem colocados.

Existem estatísticas que rodam todo o mundo que mostram que quase 95% ou até mais de 95% dos casos ufológicos são enganos ou perfeitamente explicáveis por algum fato já conhecido. O número de fraudes tem um percentual pequeno e chega a ter de 2 a 3 pontos percentuais, e o número de casos que não se explica fica em torno de 3 a 2 pontos percentuais e tem muitos pesquisadores sérios que acreditam que este número é inferior a 1 ponto percentual.

Não estou aqui nem para defender ou acusar nenhum caso, muito menos ninguém. A Globo publicou no Fantástico um depoimento de uma testemunha que afirmou a confissão do fotógrafo Baraúna que as fotos de Trindade eram uma fraude. 

Agora, um repórter da revista "Isto É" correu atrás do que existia, de fato, emitido pelo Exército Brasileiro sobre o Caso Varginha, e emissoras de TV, jornais e Sites na Internet estão divulgando que um relatório do Exército Brasileiro, feito em 1997 e divulgado só agora, mostra que um ser extraterrestre nunca apareceu no sul de Minas.

Isto mostra como uma pesquisa ufológica deve ser feita com cuidados, seriedade, e muita imparcialidade. Não se pode sair por aí afirmando coisas de que não temos provas concretas e científicas. Não se pode defender algo na base do "achismo", teorias produzidas pela imaginação dos "seres ufólogos" ou por simples crença.

Esta lucidez da imprensa é muito salutar e chega à excelente hora. A imprensa está deixando o sensacionalismo de lado e começa realmente a buscar o que ela sempre deveria que é a tentativa da verdade. Esta ação da imprensa também é uma lição para os entusiastas pela HET (Hipótese Extraterrestre) que de forma irresponsável emite sons para o mundo inteiro que os extraterrestres existem e que eles já estão entre nós.

Ufologia é um "hobby" e não uma profissão.

No Brasil e no resto do mundo exceto o Chile não existem Universidades de Ufologia, mas mesmo assim o curso ainda não é reconhecido.

Nos Estados Unidos e Europa existem vários cursos que ensinam a fazer Pesquisa de Campo, mas não tem nenhum valor acadêmico ou científico.

Aqui no Brasil, ufologia é muito parecida com jornalismo porque a maioria dos ufólogos entrevistam pessoas que vivenciaram experiências diferentes ou estranhas, mas mesmo assim, aprendemos a fazer ufologia no dia a dia com nossas experiências.

Ufologia não é uma ciência, nem tampouco o estudo de seres extraterrestres. Quem estuda a vida em outros planetas é uma ciência conhecida por astrobiologia/exobiologia

Ufologia também é uma questão de segurança de um espaço aéreo, pois esta deveria pesquisar os objetos não identificados que invadem o espaço aéreo do nosso planeta.

Quem faz a verdadeira ufologia são aqueles que dia e noite vigiam o espaço aéreo de nosso planeta, e quem detém tecnologia, conhecimento, estudo e quem tem preparo e exercido a função para fazer isso são alguns órgãos conhecidos como NASA, aeronáutica, controladores de radares, controladores de satélites, etc.

As pessoas que se dizem ser ufólogos, não estão preparadas cientificamente para estudar um fenômeno tão raro e tão complexo quanto ao fenômeno OVNI.

Quanto aos OVNIs eles são reais. De fato existem objetos que invadiram o espaço aéreo terrestre que não foram identificados, mas só que até hoje nós não sabemos o que eles são e isto quer dizer: não sabemos se eles são da Terra ou de outro planeta. Não existe até hoje nenhuma prova científica que ateste que o fenômeno OVNI é oriundo de outro planeta.

Fonte: http://www.cubbrasil.net/index.php?option=com_content&task=view&id=4314&Itemid=87
Share on Google Plus

About Henrique Halbercone

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.