Observe os “mares” da Lua nas próximas noites



Se você for um astrônomo amador, ou simplesmente um amante do céu, aproveite as próximas noites dessa semana, que serão os melhores momentos para se olhar a superfície lunar com binóculos ou um pequeno telescópio.

A Lua estará em sua fase chamada quarto crescente. Nesta fase, o sol está “caindo” sobre o lado esquerdo da Lua (no Hemisfério Sul). Ao longo da linha que divide o dia e a noite na Lua, as sombras são longas, e as características da sua superfície vão se destacar.

Desde os menores até os maiores traços da Lua vão poder ser observados. Por exemplo, planícies escuras de lava antiga, conhecidas pelo nome latino de “Maria”, são uma das atrações.

Os primeiros astrônomos não sabiam que a lua não tinha atmosfera. Eles pensavam que estas grandes planícies sem vida eram mares e oceanos. No quarto crescente, três marias (“mares”) dominam a superfície da lua. De norte a sul, elas são: o Mar da Serenidade, o Mar da Tranquilidade e o Mar de Néctar. Entre os dois primeiros, na borda da Lua, fica a menor delas, o Mar da Crise.

Durante o quarto crescente, é possível observar como as planícies maria tendem a se concentrar na metade norte da Lua, enquanto na metade sul há mais planaltos, salpicados de crateras. Há muito tempo atrás, no norte, fluxos de lava de maria inundaram crateras antigas.

Todas as crateras na Lua foram nomeadas, principalmente com nomes de antigos astrônomos. No quarto crescente, uma das crateras mais espetaculares de se observar é Maurolycus. Ela tem 114,26 quilômetros de diâmetro e cerca de 4,83 quilômetros de profundidade, e seu nome é uma homenagem a um matemático italiano do século 16 que se opunha à teoria de Copérnico.

Também na ponta do extremo norte da Lua há um interessante par de crateras, que levam o nome de dois homens míticos, Hércules e Atlas. Hercules tem 69,2 quilômetros de diâmetro. Atlas tem 86,9 quilômetros de diâmetro, e uma superfície plana cortada por “riachos”, que são restos de lava.

Uma dica de observação é se concentrar em uma cratera em particular e assistir o sol nascer sobre ela. No início, a cratera será envolta por sombras. Em seguida, um feixe de luz solar vai iluminar seu pico central e a parede oposta. Gradualmente, à medida que o sol nascer, mais e mais da cratera será revelado.

É bom aproveitar essa época para observar todas essas características da Lua. Se na noite seguinte você tentar encontrar todos os detalhes que você foi capaz de ver no dia anterior, você vai se surpreender ao descobrir que quase nada será visível. Isso acontece porque a topografia da Lua é muito delicada, e tais características só se revelam quando estão iluminadas pelos raios do sol nascente ou poente. Então pegue seu binóculo, e corra para o quintal.

Fonte: http://hypescience.com
Share on Google Plus

About Henrique Halbercone

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.